terça-feira, 28 de julho de 2009

No banquete do Evangelho


Dizia Luciano de Samosata que a vida humana deve valer, não pela sua extensão, mas pela sua intensidade de sofrimento. No plano dos homens desencarnados, somos compelidos a renovar esse conceito, na tábua de um novo reajustamento, acrescentando que a existência do homem deve valer pela intensidade da sua edificação espiritual.

Não basta sofrer desesperadamente, como o náufrago revoltado, recolhido na onda de sua própria imprevidência. É necessário conhecer a finalidade da dor, lapidária da evolução e eterna obreira do Espírito. A morte não é sinônimo de renovações integrais e definitivas. Para o homem que demandou o reino das sombras, ainda existe o véu de Ísis, e, no seu coração, ainda ressoam as célebres exortações do oráculo de Delfos.

Encontramo-nos "neste outro lado da vida", com as mesmas inquietações e com a mesma necessidade de aperfeiçoamento. E, não raro, sentimo-nos envolvidos na rede caprichosa dos cálculos de Édipo,ansiosos por solver os problemas próprios. Não obstante o milagroso elixir das letras, do qual abusei largamente no mundo, sinto-me hoje tão necessitado de conhecimento, como nos tempos da infância, em Miritiba, quando minha mãe me conduzia à férula do velho professor Agostinho Simões, que me apavorava com os seus gestos selvagens, junto da palmatória.

A escola do mundo tem aqui o seu prolongamento lógico e é inútil que o nosso pensamento se perca nas cogitações da dúvida, agora injustificável pela ausência da indumentária larval. Examinando o Evangelho, nada mais realizais que um belo esforço, em favor de vossa iluminação nas sendas do Infinito. Sois aqueles marinheiros precavidos e seguros que, entre os rochedos perigosos e ocultos da maré brava, sabem enxergar o leque de luz que os faroleiros desdobram sobre as águas, na sua doce tarefa de sacrifício.

Ides ler uma página acerca das conseqüências nefastas do orgulho, analisando, simultaneamente a harmoniosa luz da humildade. A propósito do assunto, ocorre-me lembrar-vos que nós, os intelectualistas e homens de letras, possuímos aqui, igualmente, os nossos círculos espirituais de estudos evangélicos, em horas previamente determinadas pelos generosos amigos que nos orientam do Alto.

Se é verdade que as reuniões das quintas-feiras, na Academia Brasileira de Letras, eram o último encanto intelectual dos derradeiros dias de minha vida, agora, a minha nova alegria verifica-se às quartas, quando de nossas assembléias deliciosas e amigas, no Templo de Ismael. Se no mundo prevaleciam as expressões ruidosas da ornamentação exterior, com os fardões acadêmicos, os pesados livros de literatura ou de ciência, junto das mulheres elegantes e gozadoras da vida, o meu júbilo, no momento, é mais íntimo e mais profundo, porquanto, aqui, preponderam as harmonias do bem e as luzes da humildade cristã.

Nessas reuniões, por várias vezes, emergem ainda as recordações da Terra, acordando o fantasma de nossa saudade morta; porém, a Verdade de Jesus está sempre brilhando, com o sagrado objetivo de nos ensinar o caminho, nos arquivos do Tempo.

Ainda no dia 31 de maio último, reuníamo-nos na Casa de Ismael, aguardando o banquete de iguarias espirituais. Discutíamos a moção apresentada pelo Dr. Carlos Fernandes, em nome da Sociedade de Medicina e Cirurgia, ao Ministério da Educação, reforçando a propaganda da "Hora Espírita Radiofônica" e assegurando mais essa vitória espiritual em nosso ambiente cultural. Comentávamos os acontecimentos do Rio e falávamos de suas personalidades mais eminentes, buscando, de vez em quando, uma imagem mais forte no acervo das ciências humanas, para justificar esse ou aquele conceito.

Presidia à nossa assembléia a figura austera e simples de Pedro Richard, entidade amorável e amiga, em cujo coração fraterno encontramos melhores expressões de fraternidade em todos os dias. Richard não é o Espírito que trouxe do mundo a súmula dos tratados e das enciclopédias que correm os ambientes intoxicados do século, com as pretensões mais descabidas. Seu coração não se contaminou com o veneno do intelectualismo pervertido dos tempos que correm, mas a sua sabedoria é a do poder da fé que soube devassar o mistério da vida. "Richard — disse eu, em dado instante, valendo-me dos recursos de minha passada literatice - no desdobramento de nossa palestra você sabe que foi o Pisístrato quem ordenou a publicação das rapsódias homéricas?"
- "Ignoro; - respondeu ele, humildemente - em compensação, sei que Jesus ordenou aos seus apóstolos a grafia dos Evangelhos."
- "Ah! é verdade!... - fizemos nós dentro de nossas taras psicológicas de jornalista desencarnado- sem os Evangelhos todo o esforço do mundo será justamente o trabalho improfícuo das Danaides".
- "Danaides? - exclamou o nosso amigo, na sua faina educativa- Não preciso ainda desse conceito mitológico, porque no próprio Evangelho está escrito que não se coloca remendo novo em pano velho."
E é desse modo que, em cada conceito, surge para nós um ensino novo. Por largo tempo ainda, comentamos a incúria dos nossos companheiros mais caros, condenando a indiferença dos corações desviados da luz e da fé, nos caminhos da ignorância, sem os clarões amigos da Verdade. Em seguida, falamos da Caridade e dos seus grandes labores na face da Terra, organizando-se, entre nós, os mais alevantados ideais para a construção de celeiros de atividade material, quando o nosso amigo sentenciou:
- "Irmãos: nesta Casa, temos de compreender que toda caridade, em seus valores mais legítimos, deve nascer do Espírito. As idéias religiosas do mundo não se esqueceram de monumentalizar as suas teorias de abnegação e bondade. Hospitais e orfanatos, abrigos e templos se edificaram por toda parte; entretanto, o homem foi esquecido para o Conhecimento e para Deus. A caridade que veste nus e alimenta os famintos está certa, mas não está justa, se desconhece o Evangelho no santuário do seu coração. A obra de Ismael tem de começar no íntimo das criaturas. Aqui, não podem prevalecer os antagonismos do homem, no acervo de suas anomalias. Iniciar pelo fim é caminhar para a inversão de todos os valores da vida. A Casa de Ismael tem de irradiar, antes de tudo, a claridade do amor e da sabedoria espiritual, objetivando o grandioso serviço da edificação das almas. Primeiramente, é necessário educar o operário para os preciosos princípios e finalidades da máquina. Iluminado o homem, estará iluminada a obra humana. A evolução da alma para Deus se fará, então, por si mesma, sem desvios da meta a ser alcançada. Não haverá razão para o sacrifício de seus pregoeiros, porque em cada coração existirá um hostiário celeste."
- "Mas, Richard - objetou um de nós, fascinado pela sua erudição divina e pela clareza de sua lógica - como poderemos fazer sentir a todos os nossos irmãos pela fé e pelo trabalho a sublimidade desses raciocínios?"
Todavia, Pedro Richard apontou-nos para a luz que vinha da célula de Ismael, onde nos reuníramos para receber as bênçãos das Alturas. Bittencourt Sampaio já havia chegado para distribuir os fragmentos do pão milagroso de sua divina sabedoria.

E, em silêncio, como se nos aquietássemos sob uma força misteriosa, sentimos que serenavam, em nosso íntimo, todas as preocupações pueris trazidas do nevoeiro espesso do mundo. De alma genuflexa, esquecidos das querelas e das amarguras terrestres, recolhemos o coração na urna suave da fé, para ouvir, então como discípulos humildes, a lição de humildade, que nos trazia o grande apóstolo da mensagem excelsa e eterna do Cristo.

Recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier, em 6 de junho de 1939.
Espírito de Humberto de Campos, do Livro: Novas Mensagens

domingo, 26 de julho de 2009

SEJA FEITA A TUA VONTADE, ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU


Na construção de uma casa sólida e confortável, há sempre um plano do arquiteto para ser obedecido.

Os operários precisam consultar as linhas demarcadas para não irem além de suas funções e a fim de não cometerem impropriedades que prejudicariam a obra.

O carpinteiro não deverá perturbar o pintor e o pintor deverá respeitar o vidraceiro.

Assim também, nos serviços de elevação espiritual do homem e do mundo, é necessário procurarmos a Vontade do Senhor para que os Desígnios Divinos sejam devidamente executados.

Sabemos que o bem para todos é o projeto da Eterna Sabedoria para as criaturas e, por isso mesmo, se nos prezamos da condição de trabalhadores educados para a justa prestação de serviço, é indispensável saibamos realizar a nossa parte, na concretização do projeto divino, sem perturbar os nossos irmãos.

Estejamos convictos de que se cada um de nós cumprir a obrigação que lhe compete, no plano do Eterno Bem, oferecendo a cada dia o melhor que pudermos, estaremos indiscutivelmente atendendo às determinações do Nosso Pai Celestial.

Francisco Cândido Xavier.
Da obra: Pai Nosso.
Ditado pelo Espírito Meimei.

UMA SELEÇÃO DE CARTÕES PUBLICADOS NO BLOG ANTERIOR DO CEMIL









Related Posts with Thumbnails

IMAGENS DE TUPARETAMA